Angola suspende atividades da Igreja Universal no país

Luanda, 02 fev (Lusa) – As autoridades angolanas suspenderam as atividades da Igreja Universal do Reino de Deus  e interditaram os cultos e demais atividades de outras seis igrejas evangélicas, não legalizadas, segundo um comunicado enviado este sábado (02) à agência de pública de notícias de Portugal, Lusa. A suspensão das atividades da Universal é uma das conclusões da Comissão de Inquérito nomeada pelo Presidente José Eduardo dos Santos, na sequência da morte de 16 pessoas, por asfixia e esmagamento, no último dia 31 de dezembro, na capital angolana.

Os cultos da Universal voltaram a ser liberados em Angola. Desde o início do ano as igrejas precisaram ser fechadas por determinação do governo que investigava a morte de 16 pessoas durante o culto da virada de ano, no domingo de Páscoa, 31 de abril.

Luanda, 02 fev (Lusa) – As autoridades angolanas suspenderam as atividades da Igreja Universal do Reino de Deus  e interditaram os cultos e demais atividades de outras seis igrejas evangélicas, não legalizadas, segundo um comunicado enviado neste sábado (02) à agência de pública de notícias de Portugal, Lusa. A suspensão das atividades da Universal é uma das conclusões da Comissão de Inquérito nomeada pelo Presidente José Eduardo dos Santos, na sequência da morte de 16 pessoas, por asfixia e esmagamento, no último dia 31 de dezembro, na capital angolana.

Os cultos da Universal voltaram a ser liberados em Angola. Desde o início do ano as igrejas precisaram ser fechadas por determinação do governo que investigava a morte de 16 pessoas durante o culto da virada de ano, no domingo de Páscoa, 31 de abril.

“Dia do Fim”

O culto, denominado “Vigília do Dia do Fim”, concentrou dezenas de milhares de pessoas que ultrapassaram, em muito, a lotação autorizada do Estádio da Cidadela. No comunicado enviado à Lusa, o governo anuncia que a Procuradoria Geral da República vai “aprofundar as investigações e a consequente responsabilização civil e criminal”.

A Comissão de Inquérito (CI) concluiu ainda que as mortes ocorreram devido à superlotação no interior e exterior do Estádio da Cidadela, causada por “publicidade enganosa”.Dias antes da cerimónia, a Universal espalhou em Luanda publicidade sobre o evento, que chamou de “Dia do Fim”. A propaganda convidava todos a “dar um fim a todos os problemas: doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas”.

Para a Comissão de Inquérito esta publicidade criou, no seio dos fiéis, “uma enorme expectativa de verem resolvidos os seus problemas” e, socorrendo-se da legislação em vigor, classifica a difusão do evento como “criminosa e enganosa”. A  igreja também é acusada de não ter suspendido a cerimônia, mesmo depois de ter tido conhecimento da existência de vítimas mortais.

Outras igrejas tiveram atividades suspensas

Quanto à interdição de cultos e a outras atividades de seis igrejas evangélicas, a justificativa foi o fato de não estarem legalizadas. “Realizam cultos religiosos e publicidade, recorrendo às mesmas práticas da Universal”. As seis igrejas proibidas de levarem a cabo qualquer tipo de atividade são as igrejas Mundial do Poder de Deus, Mundial do Reino de Deus, Mundial Internacional, Mundial da Promessa de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém.

O comunicado pede aos fiéis destas igrejas e a toda a população em geral, para que se mantenham “serenos”, e a cumpram “cabalmente as decisões tomadas”. A Comissão de Inquérito, criada em 02 de janeiro pelo Presidente José Eduardo dos Santos, foi coordenada pelo ministro do Interior, Ângelo Tavares com auxílio da ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, e integrada pelos ministros da Administração do Território, Bornito de Sousa, da Justiça, Rui Mangueira, da Saúde, José Van-Dúnem, e da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, além do governador da província de Luanda, Bento Bento.

FONTE:

http://www.ebc.com.br/noticias/internacional/2013/02/angola-suspende-atividades-da-igreja-universal?fbclid=IwAR37usHS2qDCsmW7SedITq7OQH3FyweMeJeRMmLVc90HOk4q9Uccs_R3EOc

Imagem relacionada

Anúncios

Seguranças do Carrefour Osasco matam cachorro a pauladas

Neste sábado (1º), um grupo de ativistas pelos direitos dos animais realizou um protesto dentro do Carrefour de Osasco pela morte de um cachorro. O animal teria sido assassinado a pauladas por um segurança do hipermercado. Há a suspeita de que o cão também tenha sido envenenado.

De acordo com os ativistas, o cachorro havia sido abandonado no estacionamento do Carrefour Osasco cerca de uma semana antes de ser morto. Alguns funcionários da rede e de lojas que ficam no centro de compras vinham alimentando o animal. Até que um segurança da rede o agrediu até que as patas quebrassem, na última quarta-feira (28).

Com o cão sangrando, rastejando e bastante fragilizado, a Zoonoses de Osasco foi chamada. Representantes da loja teriam dito que o animal havia sido atropelado ali próximo, na avenida dos Autonomistas, versão contestada por testemunhas. O cachorro foi socorrido pela zoonoses, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

FONTE:

https://www.visaooeste.com.br/carrefour-de-osasco-e-alvo-de-protesto-apos-cao-ser-morto-a-pauladas-por-seguranca/?fbclid=IwAR36BMG8kACq44cIVA_6vlmWd_rONA9smxq_ZlDfaQjg87v30v8iTlzpaa4

Para 85% da população o Mais Médicos melhorou atendimento

Imagem relacionada

Falta de especialistas é a principal reclamação registrada pela pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde

BRASÍLIA – O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira que a qualidade do atendimento melhorou para 85% dos entrevistados em uma pesquisa sobre o programa Mais Médicos. Ao todo, 87% também disseram que a atenção do médico durante a consulta melhorou, e 82% apontaram que as consultas passaram a resolver de uma forma melhor os seus problemas de saúde. No geral, a população deu nota 9 ao programa. Os gestores municipais cravaram 8,7, enquanto os médicos deram 9,1.

A pesquisa ouviu 14 mil pessoas entre novembro e dezembro de 2014 em 699 municípios e foi feita pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Os números tinham sido apresentados na semana passada durante a Convenção Internacional de Saúde Pública – Cuba Salud 2015. O evento, realizado em Cuba, país do qual vem a maior parte dos médicos do programa, contou com a participação do ministro da Saúde, Arthur Chioso.

A pesquisa também quis saber as principais melhorias trazidas pelo programa. Em resposta espontânea, quando não são dadas opções para o entrevistado, 41% citaram o aumento do número de consultas, 35% o fato de os médicos estarem mais atenciosos, e 8% o tempo maior das consultas. Também em resposta espontânea, 60% destacaram a presença constante do médico no local como o maior ponto positivo do programa, seguido pela melhoria no acesso às consultas (46%).

Entre os desafios do programa, 63% citaram, também em resposta espontânea, a falta de especialistas, enquanto 45% destacaram a demora para conseguir exames. Durante a campanha do ano passado, a presidente Dilma Rousseff, que tentava a reeleição, prometeu o Mais Especialidades para aumentar o número de especialistas na rede pública. Não há previsão ainda de quando o programa será lançado. O Mais Médicos cuida apenas da atenção básica.

A pesquisa foi feita antes da ampliação do programa, ocorrida este ano. Na época, havia 14.462 profissionais do programa, dos quais 79% eram cubanos. Com os novos profissionais inscritos em 2015, o número total – incluindo brasileiros e estrangeiros – vai subir para 18.247. Segundo o Ministério da Saúde, eles estarão presentes em 4.058 municípios e 34 distritos sanitários especiais indígenas (DSEIs), atendendo 63 milhões de pessoas.

Em setembro do ano passado, o Ministério da Saúde já tinha divulgado outro levantamento, também realizado pela UFMG e pelo Ipespe. Essa pesquisa ouviu 4 mil pessoas entre 4 de junho e 6 de julho de 2014 em 200 municípios. O levantamento anterior incluía dados não divulgados agora pelo ministério. Por exemplo, 96% avaliaram na época que os médicos eram competentes, 74% afirmaram que o programa era melhor do que o esperado, 19% acharam que estava como se esperava, 2% avaliaram que estava pior do que deveria, 87% disseram não ter dificuldade de se comunicar com o médico, e 2% afirmaram o oposto, ou seja, tinham muita dificuldade de comunicação.

FONTE:

https://oglobo.globo.com/brasil/para-85-da-populacao-atendimento-melhorou-com-mais-medicos-15990245?utm_source=Facebook&fbclid=IwAR1-MDMkDNUUYfzm36DCRO13ElqBDj8b5DkbjMub3aPetfPL6x-RTbiholQ

Não tem resposta imediata pra saída da crise diz bolsonaro

27mai2015---participantes-da-marcha-pela-liberdade-organizada-pelo-movimento-brasil-livre-posam-para-foto-durante-encontro-com-o-presidente-da-camara-eduardo-cunha-nesta-quarta-feira-27-1432773929653_956x500.jpg

 

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) disse hoje (16) que não haverá  “cavalo de pau” na economia no primeiro ano de seu governo, caso seja eleito. A declaração foi dada à Rede SBT ao ser indagado sobre o que fará para diminuir o número de cerca de 13 milhões de desempregados no país. “Não tem resposta imediata. Nós temos de facilitar a vida de quem produz para [que possa] dar emprego”, avaliou o candidato.

Bolsonaro considera a carga tributária muito alta tanto para pobres, como para ricos e descartou o aumento de impostos.

“Se você aumentar a carga tributária por aqui – como a França fez no governo anterior e o capital foi para a Rússia -, o capital vai fugir daqui”, comparou.

Ainda no campo da economia, Bolsonaro afirmou que o Banco Central terá autonomia para gerir a taxa de juros e que o câmbio permanecerá flutuante. Bolsonaro, mais uma vez, descartou a reforma da Previdência proposta pelo governo Temer.

“Não podemos penalizar que tem direito adquirido. O próprio servidor público já sofreu com duas reformas previdenciárias”, disse, acrescentando que não vê possibilidade de igualar a reforma da Previdência dos militares. “Nós não temos fundo de garantia, direito à greve, hora extra e nem repouso remunerado. A bem da verdade o militar trabalha 45 anos”, completou.

Bolsonaro, no âmbito de cortes de gastos, reafirmou que pretende privatizar, de imediato “50 estatais criadas pelo PT”, mas voltou a dizer que não pretende vender as empresas nacionais que considera estratégicas.

O candidato revelou mais uma vez a sua simpatia pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância da Justiça. Quando perguntado qual seria o perfil dos juízes que, como eventual presidente da República, teria direito a indicar para o Supremo Tribunal Federal (STF),  declarou que o perfil seria como o do juiz Moro. “O trabalho que o Moro fez tem de ser reconhecido por um governo sério”, afirmou.

Em relação à Lava Jato, ele disse que a Polícia Federal tem de ter autonomia e mais recursos para trabalhar, mas que “aqueles pequenos senões de alguma politização da PF têm de deixar de existir”.

O candidato do PSL voltou a dizer que pretende governar com 15 ministros. Três já são conhecidos: Paulo Guedes, para Economia; Onyx Lorenzoni, na Casa Civil; e o general Augusto Heleno, na Defesa. E não descartou a participação de mais militares em outras pastas, citando o tenente-coronel da Aeronáutica e astronauta Marcos Pontes, cotado para a Ciência e Tecnologia.

FONTE:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2018-10/bolsonaro-diz-que-nao-havera-cavalo-de-pau-na-economia

https://www.valor.com.br/politica/5929905/bolsonaro-diz-que-nao-tem-%253Fresposta-imediata%253F-para-saida-da-crise?fbclid=IwAR0TqhVmZoB_5i8Qfoc4dcRU9Gi987U_woaI3eVBwYkpaPe5mNOeqBYD_JM