Mês: agosto 2017

Pastor que pediu pra Deus punir gays com desastres naturais tem casa destruída por inundação

1.jpg
Perkins postou foto de sua própria casa inundada por chuvas na Luisiana

Tony Perkins teve que deixar casa numa canoa, para ele enchentes punem casamento gay e aborto.

Um pastor americano conhecido por afirmar que desastres naturais são enviados por Deus para punir gays teve a casa inundada por uma enchente, na Luisiana.
Tony Perkins contou que foi obrigado a deixar sua casa em uma canoa com sua família. Ele compartilhou fotos no Facebook e falou sobre o caso em um podcast. “Isso é uma enchente de proporções quase bíblicas”, disse Perkins ao grupo cristão Family Research Council, polêmico por sua agenda anti-LGBT. “Tivemos que escapar da nossa casa no sábado de canoa. Havia cerca de 3 metros de água na saída da garagem. Nossa casa encheu, nossos carros encheram”, disse.
Em 2015, ele entrevistou o pastor extremista messiânico judeu Jonathan Cahn, que lhe disse que o furacão Joaquin, em sua passagem pelo Havaí no ano passado, era um “sinal da ira de Deus”. Na entrevista, Cahn disse que a tempestade era um sinal de que Deus estava bravo com a legalização do casamento gay e aborto e com a relação entre os Estados Unidos e Israel.
Perkins concordou, acrescentando que “Deus está tentando nos mandar uma mensagem”.
O pastor, que chegou a concorrer ao Senado americano, também já chamou a pedofilia de “um problema homossexual”.
A Cruz Vermelha descreveu a enchente em Luisiana como o pior desastre natural nos EUA desde o furacão Sandy, em 2012.
Treze pessoas morreram nos EUA e milhares ficaram presas em suas casas e carros.
A cantora Taylor Swift doou US$ 1 milhão para as vítimas.
“O fato de tantas pessoas serem obrigadas a deixar suas casas nesta semana em Louisiana é que partir o coração”, disse ela.

Screen_Shot_2016-08-18_at_8.11.20_AM.png

Resultado de imagem para Tony Perkins

Imagem relacionada

Resultado de imagem para tony perkins

Resultado de imagem para tony perkins

Resultado de imagem para tony perkins

Resultado de imagem para tony perkins

Resultado de imagem para tony perkins Luisiana

Imagem relacionada

Resultado de imagem para tony perkins Luisiana

Resultado de imagem para tony perkins Luisiana

Resultado de imagem para tony perkins Luisiana

Perfil de Tony Perkins no facebook:   https://www.facebook.com/tony.perkins1/

Fonte:
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/08/pastor-que-diz-que-deus-pune-gays-com-desastres-naturais-tem-casa-destruida-por-inundacao.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Tony Perkins: Anti-Gay Pastor Who Says God Uses Floods To Punish Homosexuals Loses Home In Louisiana Flood

Flood Of ‘Biblical Proportions’ Destroys Home Of Anti-Gay Leader Who Claims God Sends Natural Disasters To Punish Gays

https://www.dailykos.com/stories/2016/8/18/1561458/-Tony-Perkins-says-God-punishes-gays-with-natural-disasters-has-home-destroyed-by-biblical-flood?detail=facebook

Anúncios

Juízes do Acre têm adicional de 40% no salário por terem curso superior

law_money_10.jpg

Ministro Gilmar Mendes, do STF, mandou suspender os pagamentos e determinou a devolução dos recursos pagos nos últimos cinco anos aos juízes e desembargadores do Acre

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão do pagamento de gratificação a juízes e desembargadores do Acre que lhes garantia aumento de 40% nos salários por terem curso superior. Na mesma decisão, o ministro manda que devolvam cinco anos dos valores recebidos com juros e correção monetária.
Como não é possível ocupar esses cargos sem ter curso superior, todos os juízes do Acre têm direito a gratificação. O ministro atendeu a uma ação popular que apontou ilegalidade nos pagamentos. Uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa do Acre previa o pagamentos adicional aos servidores com curso superior. Mas em abril de 1996, o Tribunal de Justiça do Acre imprimiu o “Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Acre” incluindo os magistrados no artigo que beneficiava apenas os servidores, sem que o adendo tivesse sido votado pelos deputados estaduais.
O artigo original era assim:

“Art. 326. A Gratificação de Nível Superior devida aos servidores ocupantes de cargos de nível superior corresponderá a 40% (quarenta por cento) do vencimento do cargo que estiverem exercendo”.

Após a alteração ficou assim:

“Art. 326. A Gratificação de Nível Superior devida aos servidores ocupantes de cargos de nível superior, inclusive aos Magistrados, corresponderá a 40% (quarenta por cento) do vencimento do cargo que estiverem exercendo”.
O autor da ação popular é o ex-deputado Hildebrando Pascoal, preso e condenado pela participação de grupo de extermínio popularmente conhecido como “crimes de motossera”. O ministro diz que na época em que ele ajuizou a ação ainda não havia sido condenado, o que não a invalida.
Na decisão, o ministro diz que “as gratificações de nível universitário, não são apenas ilegais, como também descaradamente inconstitucionais”. O valor da causa é de R$ 5 milhões, valor que corrigido sobe para R$ 16,8 milhões.
“Portanto, acolho o pedido para suspender em definitivo o pagamento da gratificação de nível superior, bem como para que os beneficiários da referida gratificação as restituam, com juros, a contar da citação, e correção monetária desde o recebimento de cada parcela, ambos em percentuais/taxas equivalentes aos aplicáveis à Fazenda Pública, a ser apurado na fase de cumprimento de sentença”, sentenciou o ministro.
A Associação Nacional dos Magistrados do Acre divulgou nota na qual informa que desde 1998 nenhum juiz mais recebe a gratificação e fala em campanha para difamar juízes.

Fonte:
http://politica.estadao.com.br/blogs/coluna-do-estadao/juizes-do-acre-tem-adicional-de-40-no-salario-por-ter-curso-superior/

Descartado pela Folha, Sérgio Moro declara guerra ao jornal

c.jpg

Em sua página mascarada no Facebook, o juiz pede que deixem de ler a folha e migrem para o New York Times.

Leia mais:

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/08/1914237-filme-da-lava-jato-e-caricatura-mal-feita-da-pf-diz-presidente-de-federacao.shtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compfb

http://m.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/08/1914126-filme-sobre-a-operacao-lava-jato-tropeca-em-cliches-e-exageros.shtml#

Após Moro recusar troca de testemunha, Lula vai acusar o juiz de cerceamento de defesa

https://br.noticias.yahoo.com/postura-pop-star-de-moro-em-pre-estreia-de-filme-irrita-juristas-inacreditavel-201048060.html?soc_src=social-sh&soc_trk=fb

http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-08-28/sergio-moro-desaprovacao-pesquisa.html

https://www.poder360.com.br/justica/advogado-de-casos-da-lava-jato-diz-caber-prisao-preventiva-a-moro/

MPF e PF desarticulam compra de votos e sentenças no TRF-5

noticia_43797.jpg

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram operação nesta quarta-feira para desarticular um esquema de compra de votos dentro de uma das turmas do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife, com suspeita de irregularidades inclusive em processos relacionados à operação Lava Jato.

Foram expedidos dois mandados de prisão preventiva, oito mandados de condução coercitiva e 13 mandados de busca e apreensão nas cidades de Natal, Mossoró (RN) e Recife.

De acordo com a PF, os principais clientes do grupo criminoso eram políticos e outros condenados em primeira instância que negociavam votos em sentenças criminais para a libertação da prisão ou liberação de bens apreendidos.

“Em um caso específico, a pena de um ex-prefeito, que era de 28 anos de reclusão, foi reduzida para dois anos e oito meses, e substituída por restritiva de direito”, informou a PF em comunicado.   O esquema foi descoberto após acordo de delação premiada de um empresário que relatou situações em que teria obtido benefícios por meio do grupo criminoso após ter prisão decretada e bens apreendidos durante uma operação policial. Segundo as investigações, o grupo cobrava em média 350 mil reais pelos serviços.  “As ações do grupo indicariam também o cometimento de delitos de exploração de prestígio em vários processos em trâmite no Tribunal, inclusive processos relacionados à Operação Lava Jato”, acrescentou a PF.  O Tribunal Regional Federal da 5ª Região é responsável por julgar recursos da primeira instância da Justiça Federal, entre outras ações, nos Estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe.  O TRF é composto por 15 desembargadores federais e possui como instâncias de julgamento o Pleno, do qual participam todos os integrantes, e quatro Turmas, das quais participam 12 desembargadores, sendo três em cada.

Fonte:

https://br.noticias.yahoo.com/pf-e-mpf-desarticulam-esquema-compra-votos-em-112316298.html

https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/08/30/desembargador-federal-e-alvo-de-mandado-de-prisao-em-operacao-conjunta-da-pf-e-do-mpf.htm

http://noeliabritoblog.blogspot.com.br/2017/08/desembargadores-do-trf-da-5-regiao-vendiam-decisoes-a-prefeitos-corruptos-e-incluenciavam-processos-ate-da-lava-jato.html

Folha de SP classifica filme Lava Jato como “exagerado e ruim”

Imagem1.jpg

Ninguém esperava uma versão nacional de “Todos os Homens do Presidente”. Mesmo assim, “Polícia Federal – A Lei é Para Todos” fica devendo, e muito, para uma produção que se propõe a recriar a maior operação anticorrupção do país.
Com orçamento milionário e elenco de globais e ex-globais, o filme exagera no tom de exaltação da Operação Lava Jato.
O resultado é uma trama maniqueísta, sem nuances, que, em vários momentos, se assemelha a uma peça de propaganda.
Depois dos créditos iniciais, uma citação de Ruy Barbosa dá uma ideia do que vem a seguir: “De tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.
O roteiro não tem vergonha de nada: retrata investigadores como heróis quase infalíveis e recorre à caricatura para barrar qualquer empatia com os investigados.
A produção assume um partido desde o título: o partido da polícia. A ação é comandada por um trio de delegados determinados a prender políticos corruptos e passar o país a limpo.
O protagonismo dos homens de preto é tanto que os procuradores da força-tarefa e o juiz Sergio Moro, representado pelo galã Marcelo Serrado, ficam relegados a papéis secundários.
O filme adota tratamento desigual até na apresentação dos personagens.
Políticos e empreiteiros aparecem com nomes reais, como Lula e Marcelo Odebrecht. Os investigadores são protegidos por pseudônimos, embora alguns pareçam clones dos originais.
Os diálogos patinam em clichês como “a corrupção chegou aqui com as primeiras caravelas” e “o sistema é feito para não funcionar”.
Os trechos que se salvam são os que contam como uma apuração corriqueira, com foco na ação de um doleiro, abriu caminho para a descoberta de um gigantesco esquema de corrupção na Petrobras.
No entanto até nisso a produção tropeça na inverossimilhança. Numa passagem, policiais remexem papéis queimados numa churrasqueira e descobrem contas secretas na Suíça.
Em outra, um delegado acorda no momento em que a presidente Dilma Rousseff anuncia, na TV, a nomeação de Lula para a Casa Civil.
Como o fato ocorreu às 16h de uma quarta-feira, fica a suspeita de que alguém dormiu demais: o personagem ou o roteirista.
O empenho em defender a Lava Jato de qualquer crítica deve empolgar os foliões do Morobloco, mas pode afastar um público mais moderado das salas de exibição.
Num momento em que a Lava Jato cerca o governo Temer e atinge políticos de todos os grandes partidos, a ênfase nas acusações ao PT passa a impressão de que o filme resolveu contar apenas uma parte da história.
Os produtores prometem ampliar o leque de vilões numa continuação. O problema será convencer os espectadores do primeiro episódio a retornarem ao cinema.

Fonte
http://m.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/08/1914126-filme-sobre-a-operacao-lava-jato-tropeca-em-cliches-e-exageros.shtml#

Juíza esclarece que a palavra “helicoca” não foi proibida

Imagem1.jpg

Juíza Gabriela Jardon diz que sua decisão foi “mal interpretada” e que a restrição diz respeito apenas a associar o termo ao sobrenome do senador Zezé Perrella (SD-MG). No último fim de semana, a palavra “helicoca” foi um dos assuntos mais comentados nas redes socais. Após a ‘proibição’, vários internautas passaram a compartilhar memes e hashtags com o termo.
“Helicoca” é um neologismo para “helicóptero de cocaína”. Em 2013, um helicóptero com quase meia tonelada de cocaína foi apreendido nas terras do senador citado. O DCM foi um dos primeiros veículos a divulgarem informações sobre a apreensão. Há uma série de reportagens e um documentário sobre a aeronave apreendida com a droga. Agora, em 2017, o parlamentar ingressou com pedido de liminar para impedir que seu nome seja associado ao famoso “helicoca”. A decisão foi acatada, gerando protestos na internet. Após a repercussão, o site do TJDFT publicou um texto com esclarecimentos.
De acordo com a blogueira Cynara Menezes, a magistrada afirmou que a utilização da palavra “helicoca” não foi proibida, mas o termo “Zezé Helicoca Perrella” . “Num primeiro pensamento (era decisão liminar) achei que o nome precisava ser mais cuidado. Tem uma dignidade que o nome encerra que é importante e tem que ser olhada, mas cabia uma reflexão maior da minha parte, sim”, reconheceu a magistrada. As informações sobre o caso podem ser difundidas, sem associar o político ao helicóptero. A hashtag #Helicoca entrou para os “Trending Topics” do Twitter, os assuntos mais comentados da rede social.

Fonte:
http://www.nexobrasil.com/2017/08/apos-repercussao-juiza-esclarece-que.html

Moro muda de versão sobre sociedade da esposa com o “amigo” acusado

Resultado de imagem para moro e o amigo

Após a revelação de que pode ter existido tráfico de influência e possível pagamento de propina em uma negociação de acordo de delação na Lava Jato de Curitiba, o juiz Sergio Moro admitiu à imprensa que sua esposa, Rosangela, teve sim sociedade com o escritório de Carlos Zucolotto, seu “amigo pessoal”. Mas reforçou que a parceria se deu “sem comunhão de trabalho ou de honorários”, numa tentativa de preservar a mulher das denúncias que agora caem sobre os ombros de Zucolotto.
Mas a relação de Rosangela com o escritório de Zucolotto ainda não está muito clara. Principalmente porque, de acordo com uma reportagem do Conjur, há dois anos, Moro deu outra versão sobre essa parceria: ele disse que sua esposa tinha sociedade com Zucolotto visando “apenas a partilha de honorários”, o que não significa, contudo, que eles atuavam nos mesmos processos.
A fala contraditória de Moro está registrada em uma representação contra dois blogueiros que teriam publicado notícias falsas sobre as atividades de Rosangela no escritório de Zucolotto.
Em 2015, surgiram informações dando conta de que a empresa de Zucolotto advogava para empresas como a Helix e a Ingrax. O Jornal i9, um dos processados por Moro, teria associado a Ingrax à Shell e levantado conflito de interesse na atuação da Lava Jato contra a Petrobras.
“Na representação, o juiz garante que sua mulher nunca advogou para essa multinacional, e que a participação dela no escritório Zucolotto Advogados Associados visa apenas a partilha de honorários, não assegurando que ela tenha trabalhado diretamente para todos os clientes da banca”, escreveu o Conjur. (Leia a íntegra aqui).
Rosangela só teria deixado a sociedade em meados de 2016.
Outra informação um tanto quanto inconsistente que consta na nota do juiz à imprensa, em defesa do amigo pessoal, é a de que Zucolotto atua exclusivamente na área trabalhista. O escritório Zucolotto Sociedade e Advogados, porém, afirma em seu site oficial que faz “parcerias” para garantir atendimento aos clientes dentro da área criminal do direito.
Mesmo que Zucolotto não tenha atuação na Lava Jato como criminalista, a denúncia de Rodrigo Tacla Duran, um dos réus na operação, afirma justamente que o advogado pediu para não ficar “na linha de frente” da negociação com os procuradores de Curitiba.
Com seus “contatos”, disse Duran, Zucolotto ofereceu fazer as tratativas nos “bastidores” e, no final, teria pedido para receber um terço dos honorários “por fora”, sugerindo que repassaria os valores às pessoas que ajudaram no acordo de delação.
O deputado Wadih Damous defendeu, nesta terça (29), que o caso seja investigado.
Zucolotto disse à Folha, responsável pela divulgação da denúncia de Duran, que as informações são falsas e que o pretenso delator tem interesse em escapar da Lava Jato de Curitiba, pois lá é acusado de lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.
Fonte:

Supersalários de juízes custou R$ 229 milhões só no mês de julho

Resultado de imagem para moro juizes

No mês de julho, o pagamento de supersalários a juízes custou o equivalente a R$ 72,4 milhões em excedentes. O levantamento é do site Poder360, que analisou os dados de 15 tribunais de justiça do País.
Segundo o estudo, 4.655 juízes, o equivalente a 73% dos casos pesquisados, receberam acima do teto constitucional do funcionalismo público, de R$ 33.763. Com isso, os TJs desembolsaram R$ 229,6 milhões em pagamentos. Se todos os magistrados fossem onerados dentro do teto, o valor não passaria de R$ 157,2 milhões.
Vale lembrar que não é ilegal um juiz receber acima do teto. Ficam fora desse limite verbas como ajuda de custo para mudança e transporte, auxílio-moradia, diárias de viagens, auxílio-funeral, indenização de transporte, entre outras.
Em números absolutos, o TJ de São Paulo é o campeão de magistrados recebendo acima do teto. Dos 2.545 juízes, 2.328 (91,5%) receberam mais do que R$ 33.763. Em Sergipe, 152 juízes, o equivalente a 100% do efetivo, ganharam mais do que o teto em julho.
Os dados passaram a ser divulgados por determinação da presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), que, em 18 de agosto, deu prazo de dez dias para que todos os tribunais do país divulgassem de maneira atualizada e detalhada os valores de remuneração dos juízes.

Outro lado
Questionado pelo Poder360, o Tribunal de Justiça de São Paulo respondeu em nota que “todos os pagamentos são realizados dentro da mais estrita legalidade e com plena transparência”. O texto diz ainda que “a aplicação do teto remuneratório constitucional segue as regras contidas nas Resoluções CNJ nº 13 e 14/06, de modo que algumas rubricas – tais como as de caráter indenizatório ou antecipação de 13º salário – não se sujeitam à referida regra”.
— Cabe registrar que magistrados e servidores do Judiciário, assim como todos os trabalhadores da iniciativa privada ou pública, fazem jus às verbas indenizatórias (auxílios previstos em lei) e ao abono de permanência, que se agregam ao total da remuneração nos demonstrativos de pagamento emitidos e que, por sua natureza, não estão submetidos ao teto constitucional.
Já o Tribunal de Justiça de Sergipe informou que o pagamento bruto de juízes e desembargadores variam entre R$ 26.125,16 e R$ 30.471,11.
— Não fazem parte do cálculo para efeito de limite do teto do Judiciário, por terem caráter indenizatório, valores relativos ao abono de permanência e aos auxílios saúde, alimentação e moradia, além de terço de férias. Alguns magistrados recebem também uma PAE (Parcela Autônoma de Equivalência), que é um direito reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal. Mensalmente, os valores dos subsídios e das vantagens eventuais, mencionadas acima, são divulgados juntos no Portal da Transparência, no site do TJ-SE.

Por ordem da ministra Cármen Lúcia, todos os tribunais devem divulgar salário dos juízes

Fonte:
http://noticias.r7.com/brasil/gastos-com-supersalarios-de-juizes-custou-r-2296-milhoes-em-julho-29082017